Tudo o que você precisa saber sobre o grande clássico deste sábado (18), entre Real Madrid e Sevilla

Nenhum comentário
(Foto: Divulgação)


Um dos embates mais históricos da LaLiga, marcado para a tarde deste sábado (18), às 12h (de Brasília), no Santiago Bernabéu, estará cercado de emoções. De um lado, o retorno do técnico sevillistas Julen Lopetegui à capital espanhola. De outro, se não for constatada nenhuma lesão no tornozelo - machucado durante a final da Supercopa da Espanha diante do Atlético de Madrid -, o reencontro do capitão madridista Sérgio Ramos com sua antiga equipe. Além disso, Real Madrid e Sevilla brigam ainda pelo título da LaLiga, onde enquanto os Blancos lideram a competição ao lado do Barcelona, os Rojiblancos estão a apenas cinco pontos da dupla.

Invicto e com um ótimo aproveitamento dentro de casa nesta temporada, com seis vitórias e três empates na LaLiga, o Real do técnico Zinedine Zidane ainda possui a melhor defesa da competição - sofrendo apenas seis gols diante de seus torcedores. Tais números credenciam o goleiro belga Thibaut Courtois como principal candidato ao prêmio "Zamora", de melhor goleiro da temporada. Na outra ponta do campo, agora no ataque, Karim Benzema parece ter sanado todos os problemas da equipe, marcando nada menos que 12 gols e dando ainda cinco assistências. A contribuição do francês tem sido vital, principalmente por conta dos problemas físicos que afetam outros jogadores ofensivos da equipe, como Gareth Bale e Eden Hazard.

Enquanto isso, o Sevilla não vinha se mostrando um visitante indigesto, ao menos nos últimos anos. Números que mudaram drasticamente após a chegada de Lopetegui, que fez o clube rojiblanco estabelecer a melhor sequência da LaLiga até o presente momento, com um total de 20 pontos somados em seus primeiros 10 jogos fora de casa. Diego Carlos e Fernando, contratados na janela de inverno, têm desempenhado um papel fundamental no setor defensivo, enquanto Éver Banega, meia argentino que está sempre em boa forma, cresce a cada partida. O que serve de motivação para toda a equipe, principalmente para Lopetegui, que foi técnico do Real Madrid na última temporada. Outros que já passaram por Madrid, como Sergio Reguilón e Javier "Chicharito" Hernández, esperam ter a oportunidade de jogar.

Encontro esse que também será muito especial para o capitão do Real Madrid, Sérgio Ramos, nascido em Sevilha e que começou sua carreira em Ramón Sánchez-Pizjuán. Justamente o local onde seu clube encerrou uma amarga sequência de quatro derrotas consecutivas na LaLiga deste ano, com vitória de 1-0, graças a um gol de Benzema. No Bernabéu, o filme se repete ano após ano, com os donos da casa faturando os três pontos. Na temporada 2018/19, por exemplo, o duelo terminou em 2-0 para os blancos, com gols de Casemiro e Luka Modrić.

Por falar em vitória madrilenha, este será o primeiro jogo do Real desde a conquista da Supercopa da Espanha, no último domingo, em duelo diante do Atlético de Madrid na Arábia Saudita. Por conta disso, espera-se uma recepção bastante calorosa por parte dos torcedores locais. Ao mesmo tempo, o Sevilla também teve um final de semana bem positivo, garantindo a classificação à terceira fase da Copa do Rey, ao vencer o modesto Escobedo, da terceira divisão espanhola, por nada menos que 5-0. Com isso, está tudo pronto para que o duelo deste sábado (18), seja uma das melhores partidas da LaLiga nesta temporada.

Emoção garantida para o reencontro do capitão Sergio Ramos com seu antigo clube

Muitas lembranças voltarão à mente do capitão do Real Madrid, Sergio Ramos, quando enfrentar seu antigo clube, o Sevilla, em partida válida pela 20ª rodada da LaLiga, na tarde deste sábado (18), às 12h (de Brasília), no estádio Santiago Bernabéu. Em fase final de recuperação do tornozelo, machucado no último final de semana, o zagueiro ainda corre o risco de ficar de fora de um dos jogos mais especiais da temporada - principalmente para ele, que é um dos jogadores mais emblemáticos do futebol espanhol. Afinal, Ramos começou sua carreira em Ramón Sánchez-Pizjuán, e desde então possui relação complicada com seu antigo time (e seus torcedores) desde que partiu para Madrid em agosto de 2005.

Nascido em Camas, nos arredores da capital da Andaluzia, Ramos iniciou sua carreira nas categorias de base do Sevilla. E rapidamente, por conta da mistura de suas habilidades técnicas e físicas, subiu ao profissional, estreando com apenas 18 anos na LaLiga, em abril de 2004, diante do EC Deportivo. Ao lado de Jesús Navas (foto), seu amigo e vizinho, o jovem atleta foi garantindo uma posição fixa na defesa rojiblanca, onde passou também a fazer gols - o primeiro saiu em setembro, na vitória por 2-1 sobre o Real Sociedad, dentro de casa. Mais tarde, em abril de 2005, Ramos marcou um lindo gol, de longa distância, justamente contra seu futuro clube, o Real Madrid. Algo que virou rotineiro para o zagueiro na história desse clássico.

Desde que se transferiu ao clube da capital, na janela de inverno de 2005, Ramos enfrentou o Sevilla em 26 oportunidades na LaLiga, com 16 vitórias e dez derrotas. Seu primeiro gol diante do ex-clube foi no palco do duelo deste sábado, o Santiago Bernabéu, em março de 2010, quando ajudou o Real a virar o jogo - que estava 0-2 para os visitantes - e vencer por 3-2. Na temporada seguinte, o gol saiu na vitória elástica por 6-2, em plena casa do Sevilla. Ramón Sánchez-Pizjuán, no entanto, passou a ser lugar indigesto para o zagueiro nos últimos anos, que voltou com a derrota de lá nas últimas quatro temporadas - 2015/16 a 2018/19. Sendo o duelo de 2017 especialmente doloroso para os madridistas, já que a vitória do Sevilla por 2-1 pôs fim à sequência de 40 jogos de invencibilidade do técnico Zinedine Zidane, em sua primeira temporada no comando do clube.

Mas a temporada 2016/17 não foi inteiramente negativa para Ramos e sua equipe. Afinal, alguns meses depois ele marcou de pênalti, ao melhor estilo Djalminha (com cavadinha), nos minutos finais, e ajudou o Madrid a buscar o empate em 3-3 e garantir a classificação às quartas de final da Copa do Rei. E quase que na sequência, agora na grande final da Supercopa da Europa, ele voltou a marcar no "apagar das luzes", levando a decisão à prorrogação, onde mais uma vez o clube da capital faturou a taça - em 2014, os dois já haviam decidido a competição, com o Real sendo o grande campeão da Champions League e o Sevilla da Liga Europa, com os blancos conquistando o título.

Apesar da distância, Ramos sempre manteve uma forte conexão com sua cidade natal. Nos últimos anos, o camisa 4 comprou um viveiro e uma fazenda nas proximidades, visitando regularmente com sua família - ele também possui uma relação muito próxima com o atual técnico do Sevilla, Julen Lopetegui, que foi seu treinador na seleção espanhola e no Real Madrid. Com isso, o duelo deste sábado deve ser muito emocionante para o zagueiro madridista, ainda mais que ele poderá reencontrar seu ex-companheiro Jesús Navas. A história já mostrou que, quando a bola rola, as amizades e lembranças ficam no passado. Resta saber se Ramos conseguirá se recuperar da lesão no tornozelo, e entrar em campo contra seu ex-clube.


Nenhum comentário

Postar um comentário