Público recorde prestigia Boto Rock Festival em Porto Velho

Nenhum comentário


O Parque Circuito localizado na Zona Norte de Porto Velho, se transformou nos dois últimos dias (24 e 25), na Cidade do Rock. As dependências do Parque que abriga dezenas de árvores seringueiras, recebeu um dos maiores públicos para um evento que tem como alvo público específico, no caso, os amantes do ritmo do rock’n’roll. Segundo estimativa dos especialistas em concentração humana, aproximadamente 10 mil pessoas passaram pelo Parque Circuito nos dois dias do Boto Rock Festival.


Empresas que comercializam motocicletas, carros, além de estúdios de tattoo, ciregrafia, artesanato, instrumentos musicais e até barbearia, estavam com estandes funcionando no Parque.



Três palcos receberam os artistas e bandas, sendo dois para as Bandas de Rock o palco Boto Rosa e o palco Boto Tucuxi e mais o palco que abrigou as apresentações dos grupos de Hip Hop – Rap. Tanto o espaço entre os palcos das bandas de rock como o do hip hop concentraram muitos espectadores aplaudindo seus artistas e ritmos preferidos. Nos dois dias o festival apresentou 49 bandas de rock e 28 de hip hop. “Lembrando que abrimos espaço para apresentação de grupo de samba como foi o caso da banda Vermelha e Branca da escola de samba Os Diplomatas e para DJs que começavam a tocar a partir das 11 horas da manhã”, disse Ocampo. Sábado durante a roda de samba-rock da banda comandada pelo Paulinho Santana foi servido feijoada aos presentes. “É claro que a feijoada não foi de graças”.


O Boto Rock Festival além do rock autentico, abriu espaço para a produção de música alternativa como foi o caso da Banda Quilomblocada que toca a chamada “MP-BERA”; rock alternativo, heavy metal, punk rock e grunge.


O 2º Boto Rock Festival homenageou o pioneiro do rock em Porto Velho, Heavy Ney, cuja família marcou presença no palco, durante a abertura oficial do evento. Um vídeo com a história do Heavy Ney foi exibido com depoimento de sua esposa, que solicitou aos presentes que assinasse o abaixo assinado que solicita as autoridades judiciais, solução para o caso, pois “Até agora ninguém sabe qual o motivo do assassinato do nosso querido Ney”, disse Verônica. As assinaturas estavam sendo captadas na tenda “Oficina do Heavy Ney”.


“Só temos a agradecer a nação roqueira de Porto Velho pela maciça presença no nosso 2º Boto Rock Festival”, finalizou Ocampo.









Nenhum comentário

Postar um comentário