Brasil

5/cate1/Brasil

Política

5/cate1/Política

Entretenimento

4/cate2/Entretenimento

Esportes

5/cate4/Esportes

Internacional

5/cate5/Mundo

Economia

4/cate2/Economia

IstoÉRondônia

Últimas Notícias

Tiago Prates tem uma semana pra não sair da memória - quarta, sábado e domingo de vitórias

O fenômeno das corridas de ruas do estado de Rondônia Tiago Prates, teve uma semana para ficar em sua história particular e do estado.

A sequência foi assim: quarta-feira(15), foi até Humaitá-AM, campeão geral nos 10 km, no sábado(18) foi vice-campeão na corrida, a 1ª por sinal da Defensoria Pública de Rondônia, à noite no espaço alternativo com distância de 5 km.

Agora prestem atenção: nosso ilustre cidadão de Candeias do Jamari, tinha um compromisso com Guajará-Mirim para a corrida 6º BIS neste domingo(19). Como não conseguiu embarcar para a Pérola do Mamoré, ele foi de mototáxi, saiu 00h00 de Porto Velho, chegou às 5h e deu tempo de calçar os tênis e foi pra batalha.

Exatos 5 km para nosso campeão conquistar o alto do pódio. Merece aplausos, e o reconhecimento de todos. Isso na distante Guajará com mais de 300km daqui de Porto Velho.


(Fotos: arquivo pessoal de Tiago Prates)


Militares percebem algo estranho e avisam que 1964 pode voltar e salvar Jair Bolsonaro






Por; Rosinaldo Pereira /colunista




Cresce no meio militar a preocupação com ações dos poderes Legislativo e Judiciário supostamente para ‘colocarem água’ no chopp de Jair Bolsonaro. Em outras palavras, há um movimento detectado por diferentes setores para tentar desestabilizar o governo.

Essa preocupação foi manifesta em grupos de WhatsApp pelo major-brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez, neste fim de semana. Ele voltou a citar uma ‘sucuri de duas cabeças’, representada “pelo Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional”, que “tramam e apertam seu abraço letal” em torno do presidente.


Depois de lembrar que o Supremo ‘é a casa da Mãe Joana’ e o Congresso Nacional ‘um covil de Ali Babá e seus quase 594 ladrões’, o militar denuncia “uma trama diabólica” capaz de promover “o desmonte de um projeto (do presidente Jair Bolsonaro) que quer beneficiar 60 milhões de brasileiros”.

Jaime Sanchez acusa a grande mídia de patrocinar esse golpe. “Os grandes veículos estão falidos e não mais mamam nas tetas do governo”, acusou. O objetivo, segundo o militar, é desviar a atenção, criando fakes news onde os alvos são o presidente, seus parentes e o próprio governo.

“Enfiam-nos (os veículos da grande mídia) em nossas goelas notícias requentadas e distorcidas; temas controvertidos, incompatíveis com a moral das famílias tradicionais; apologia ao sexo, exibindo cenas envolvendo idosos, crianças e homossexuais; vulgarização do tráfico de drogas e exaltação à corrupção, apresentados em horários inclusive infantis”, pontua o major-brigadeiro.


Na interpretação do militar, “a estratégia dessa verdadeira máfia multi corporativa tem como ponto de partida impedir que o governo concretize suas promessas de campanha, desgastando a imagem de austeridade e anulando a expectativa de mudanças nos destinos do País”.

Jaime Sanchez cita como exemplos de alvos preferidos a reforma da previdência, a reestruturação do Estado e o projeto anticrime, encaminhados à Câmara dos Deputados. “Em contraposição, o governo tem adotado diversas medidas periféricas, visando o desaparelhamento da máquina, a poupança de recursos e a desarticulação dos esquemas de corrupção das instituições públicas”. Ainda assim, adverte, “essas medidas podem vir a ser obstadas no Congresso ou na Justiça”.


No texto que circula entre militares de alta patente, Jaime Sanchez considera como segundo passo dessa ‘ação nefasta’ a inviabilização do orçamento de 2019. “Querem reduzir as perspectivas de receita, através do esvaziamento da reforma da previdência e da reestruturação do Estado, bem como o incremento das despesas, com a aprovação do orçamento impositivo, elevando os gastos obrigatórios a 97% do total do orçamento”.

Com essa estratégia, continua o major-brigadeiro, querem desgastar a imagem do presidente com cortes de verbas para setores essenciais da sociedade e, como objetivo maior, forçar o governo a ultrapassar o limite de gastos permitidos, infringindo a lei de responsabilidade fiscal, o que abriria caminho para a instauração de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro”.

Jaime Sanchez também adverte para a iniciativa do PT de apresentar uma proposta de Emenda à Constituição destinada a impedir a assunção definitiva do vice-presidente (Hamilton Mourão) em caso de vacância do cargo. A situação fica ainda mais grave, enfatiza o major-brigadeiro, quando a base aliada e alguns outros elementos “comportam-se como o incrível exército de Brancaleone”. São, diz o militar, totalmente desarticulados ou inexperientes no jogo da política, “facilmente contaminados com a peste vermelha”.


Em sua análise, o major-brigadeiro salienta que a conjuntura caminha rapidamente para uma situação insolúvel, “uma vez que o presidente e sua equipe estão praticamente ilhados, à mercê da grande rede corporativa formada por políticos, juristas, empresários, intelectuais e funcionários públicos que irão agir unicamente interessados em preservar seus privilégios a qualquer custo, pouco importando o interesse daqueles que os elegeram e pagam seus vultosos salários”.

A persistir esse quadro, encerra Jaime Sanchez, a única saída será as Forças Armadas lançarem mão do Artigo 142 da Constituição Federal. O texto diz, resumidamente, que os militares poderão, sob a autoridade do presidente da República, interferirem para o bom desempenho dos poderes da República (Executivo, Legislativo e Judiciário) para “colocarem ordem na casa e atenderem aos anseios da sociedade, como foi feito em 1964”.




Chacina em bar deixa 11 mortos em Belém



Uma chacina deixou 11 mortos em um bar no bairro do Guamá, em Belém, por volta das 16h deste domingo (19), segundo a polícia. Uma pessoa ficou ferida e está sob proteção policial.


De acordo com a Polícia Militar, sete homens armados chegaram ao local em uma moto e três carros e dispararam contra as vítimas. Não há informações sobre a motivação do crime.


Dos 11 mortos, 6 são mulheres e 5 são homens. Um vídeo feito logo após o massacre mostra as vítimas baleadas e caídas pelo estabelecimento. Uma mulher estava deitada em cima do balcão do bar.


As identidades das vítimas ainda não foram informadas.


A Divisão de Homicídios da Polícia Civil investiga o crime e realiza buscas, mas, até a última atualização desta reportagem, ninguém havia sido preso. O governador do estado, Helder Barbalho (MDB), anunciou que dará uma entrevista coletiva sobre o caso na noite deste domingo.




Bairro recebeu Força Nacional



O Guamá é um dos sete da Região Metropolitana de Belém que receberam, em março, o reforço no policiamento por parte da Força Nacional, em março, em razão dos elevados níveis de criminalidade.


Ao todo, 274 agentes fazem o patrulhamento nesses locais, batizados de territórios de pacificação pelo governo estadual. Segundo a gestão Helder Barbalho (MDB), houve queda dno número de mortes no primeiro mês de atuação: foram 17, ante 19 nos 30 dias anteriores.


Em todo o estado, o número de mortes violentas caiu no 1º trimestre na comparação com 2018. Foram 756 neste ano, ante 996 no mesmo período do ano passado – uma queda de 24%.


Local da chacina: crime ocorreu em bar no Guamá, bairro pobre da periferia de Belém — Foto: Vitor Sorano/G1




Outras chacinas



A última chacina registrada na Região Metropolitana de Belém havia ocorrido em 1º de janeiro quando 5 pessoas foram mortas no bairro da Cremação por homens encapuzados que chegaram em dois carros.


Em 2018, houve duas. Em abril, 9 pessoas foram mortas em Belém e Ananindeua. Em outubro, oito foram assinados no bairro do Tapanã, na capital.


A maior onda de assassinatos ocorrida no estado foi em janeiro de 2017, quando 28 pessoas foram mortas num intervalo de 24 horas, após o assassinato de um policial militar.


G1


MBL quer criar partido político para disputar 2022 contra Jair Bolsonaro?





Por; Rosinaldo Pereira 




O MBL aguarda o sinal verde do TSE para começar a coletar assinaturas para a criação de um partido político.

A intenção do grupo é que a nova sigla possa disputar as eleições em 2022.


Kim Kataguiri disse ao Congresso em Foco que a ideia de criar um partido surgiu em 2017, quando foi aprovada a reforma que estabeleceu o fim das coligações entre partidos para eleições proporcionais.

-Então, já está tudo explicado. -O MBL (Movimento Brasil Livre) não participará das manifestações do dia 26, fala em criar um partido político, chama as manifestações de EXTREMA DIREITA, perdem mais de 200 mil inscritos no Youtube, querem em 2022 disputar provavelmente contra o presidente Jair Bolsonaro?. -Essa eu quero ver.

Veja também;  
MBL abandona a Direita e se alia ao Centrão, (vídeo) 




LULA REVELA ESTAR APAIXONADO E TER PLANOS DE SE CASAR AO SAIR DA PRISÃO


O ex-ministro Luiz Carlos Bresser Pereira revelou neste sábado (18/5), em uma postagem em uma rede social, que o ex-presidente Lula está apaixonado e vai se casar assim que sair da prisão.
A previsão dos advogados de defesa é que o petista deixe o regime fechado ainda neste caso, após ter a sua pena no caso do tríplex de Guarujá reduzida pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).
A decisão, tomada por unanimidade, manteve a condenação do petista, mas baixou a pena de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias.
Bresser visitou Lula na última quinta-feira, na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR), onde o ex-presidente está preso desde abril do ano passado.
“Ele está em ótima forma física e psíquica”, escreveu Bresser. Segundo o ex-ministro, a grande preocupação do petista no momento é “ter reconhecida sua inocência”.
Logo após escrever sobre as apreensões do ex-presidente, Bresser falou sobre a vida pessoal do ex-presidente. “Está apaixonado e seu primeiro projeto ao sair da prisão é se casar”, disse.
Segundo o jornalista Guilherme Amado, colunista da revista Época, a namorada visita Lula com frequência na cela da Polícia Federal e tem por volta de 40 anos. O ex-presidente tem 73.
Lula é viúvo há pouco mais de dois anos. A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva morreu em fevereiro de 2017, aos 66 anos.
Na entrevista concedida à Folha, em abril, o ex-presidente chegou a dizer que adoraria estar em casa com sua mulher, filhos, netos e companheiros.










Publicidade





Até Janaina Paschoal está contra a manifestação no dia 26; "as ruas tem que estar vazia"



Por; Rosinaldo Pereira 




Janaina Paschoal usou o Twitter neste domingo para pedir que os aliados de Jair Bolsonaro parem de convocar manifestações para o dia 26 de maio em apoio ao presidente.

“Eu não vou gravar áudios, nem vídeos, por uma razão: essas manifestações não têm RACIONALIDADE. O Presidente foi eleito para GOVERNAR nas regras democráticas, nos termos da Constituição Federal. Propositalmente, ele está confundindo discussões democráticas com toma-lá-dá-cá”, disse.



“Dia 26, se as ruas estiverem vazias, Bolsonaro perceberá que terá que parar de fazer drama para TRABALHAR!”, acrescentou.

“Pelo amor de Deus, parem as convocações! Essas pessoas precisam de um choque de realidade. Não tem sentido quem está com o poder convocar manifestações! Raciocinem! Eu só peço o básico! Reflitam!”





Patriotas apoiadores do presidente Jair Bolsonaro convocam manifestação para o dia 26 em todo o Brasil

Patriotas apoiadores do presidente Jair Bolsonaro estão preparando um dia de protesto, que deverá ocorrer simultaneamente em todo o país. A convocação vem ocorrendo pelas redes sociais de forma espontânea e pelo visto a mobilização também ganhará dezenas de cidades do interior do país.

Grupos conservadores afirmam que os principais pontos de reivindicação dos manifestantes são a reforma da previdência, a Medida Provisória 870 (da reforma administrativa), além da defesa pelo ministro Sérgio Moro.

Como "inimigos", a manifestação coloca o olho no furacão os integrantes do Centrão e os ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Apesar dessa mobilização toda nas redes sociais, nenhum movimento que participa de atos de ruas no país se colocaram como organizadores na verdade são manifestações espontâneas.

Esse protesto ocorre justamente uma semana após algumas dezenas de comunistas irem às ruas contra a medida de Jair Bolsonaro de contingenciar verbas da Educação.